Escolha uma Página

Mapeamento da fitoterapia no SUS

Dos intinerários do fazer às alianças do saber

Desenha o novo mapa de serviços públicos responsáveis pela produção e dispensação de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos no território nacional. A pesquisa, com banco de dados aberto na base do ObservaPICS, identificou, a partir de registros do Ministério da Saúde e de  consulta direta, por contato telefônico, a existência de variadas iniciativas, listadas com os responsáveis pela execução e/ou gestão, em nível municipal e estadual.  Visitou experiências e caracterizou diferentes arranjos organizativos de cultivo, preparo e beneficiamento de plantas medicinais. O último mapeamento nacional dos serviços de fitoterapia no SUS foi realizado em 2009 pelo Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde. Desde então, mais de 81 projetos foram apoiados pelo Departamento de Assistência Farmacêutica e outros se fortaleceram.

Mapa de serviços de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos

Banco de dados sobre serviços de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos

Caderno de campo

O pesquisador Pedro Crepaldi Carlessi, autor do Mapeamento da Fitoterapia no SUS, desenvolvido para o ObservaPICS,  visitou serviços em três regiões do Brasil a partir de uma seleção que considerou iniciativas com plantio, cultivo com beneficiamento e cultivo com preparação de fitoterápicos. Adotando observação participativa, o doutorando do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) acompanhou a preparação, circulação, emprego e dispensação de plantas medicinais e/ou de medicamentos fitoterápicos no SUS. Seguem os relatos.

Maranhão

Estado do Nordeste, com população de 7 milhões de habitantes distribuída em 217 municípios.

“Junto à Secretaria de Saúde do Maranhão, percorremos quatro municípios do Estado em que o projeto Farmácias Vivas-Hortos Terapêuticos se faz presente. O projeto, que atua com foco nos municípios de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), utiliza a fitoterapia como estratégia de cuidado na atenção básica”.

Fotografias: Pedro Carlessi.

Jardinópolis (SP)

A 335 quilômetros da capital, integra a região metropolitana de Ribeirão Preto, com cerca de 45 mil habitantes.

“No Estado de São Paulo participamos das atividades da Farmácia da Natureza em Jardinópolis, que produz cerca de 150 medicamentos fitoterápicos preparados a partir de espécies cultivadas no próprio terreno da farmácia. Quatro desses medicamentos integram a rede de atenção à saúde do município”.

Fotografias: Pedro Carlessi.

São Bento do Sul (SC)

Município com pouco mais de 85,4 mil habitantes segundo estimativas do IBGE, a 250 quilômetros de Florianópolis.

“Em Santa Catarina, conhecemos o Centro Municipal de Práticas Integrativas de São Bento do Sul/SC (CEMPICS), que oferece atendimento de aromaterapia, auriculoterapia, reiki e fitoterapia. O CEMPICS também conta com uma ervanaria, habilitada para o beneficiamento de drogas vegetais e dispensação mediante solicitação de profissional habilitado”.

Fotografias: Pedro Carlessi.