Escolha uma Página

Pesquisadora Islândia Carvalho (a sexta da direita para a esquerda) com colaboradores do ObservaPICS e parceiros da Opas/OMS e da RedePICS Brasil no 13º Abrascão. Foto: Divulgação/ObservaPICS

O 13º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva começou oficialmente nesta segunda  (21/11), no Centro de Convenções de  Salvador (BA), e segue até a próxima quinta-feira (24/11), tendo como ponto principal a temática “Saúde é democracia: diversidade, equidade e justiça social”. Em meio às discussões sobre os problemas atuais da saúde pública no Brasil e os desafios a serem superados nos próximos anos, o evento abriu espaço em sua programação para debater questões relacionadas à saúde integrativa e saberes tradicionais, contando com a participação do Observatório Nacional de Saberes e Práticas Tradicionais, Integrativas e Complementares em Saúde (ObservaPICS), da Fiocruz. Além disso, com apoio de pesquisadores e professores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e de profissionais da RedePICS desse estado, o Abrascão reservou um local para a prática de PICS.

No campo do debate teórico será realizada na terça-feira (22/11) a mesa-redonda “Os saberes tradicionais e populares e as práticas integrativas e complementares em saúde”, organizada pelo GT de Racionalidades da Abrasco. O debate terá como uma das palestrantes a coordenadora do ObservaPICS, a pesquisadora da Fiocruz Pernambuco Islândia Carvalho. Também estarão nessa mesa como expositores o indígena Ubiraci Silva Matos, da Aldeia Pataxó Coroa Vermelha (BA), o professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp-SP) Nelson Filice, do Laboratório de Práticas Alternativas, Complementares e Integrativas em Saúde (Lapacis), e o representante da RedePICS Brasil Daniel Amado. Filice e Amado fazem parte do Conselho Editorial do Boletim Evidências, do ObservaPICS. Será no mezanino A, sala 104 A, das 10h20 às 11h50.

 

Islândia Carvalho, do ObservaPICS/Fiocruz (Foto Divulgação/ObservaPICS)

Islândia Carvalho, do ObservaPICS/Fiocruz (Foto Divulgação/ObservaPICS)

Nelson Filice (Divulgação ObservaPICS)

Nelson Filice, da Unicamp-SP (Foto Divulgação ObservaPICS)

Daniel Amado, da RedePICS Brasil (Reprodução Canal do ObservaPICS no Youtube)

Daniel Amado, da RedePICS Brasil (ObservaPICS no Youtube)

 

GESTÃO DAS PICS NOS ESTADOS

Também no Congresso da Abrasco, a experiência exitosa do Observatório junto às referências estaduais em práticas integrativas será apresentada pela bolsista Carine Nied, por meio do trabalho Fortalecimento dos territórios estaduais com as PICS. Será  uma oportunidade de o público conhecer as estratégias práticas e políticas que as coordenações e profissionais referências técnicas estaduais em PICS estão realizando com o apoio do ObservaPICS. A apresentação será na quarta-feira (23/11), às 8h30, no Mezanino B, na sala Marcus Matraga (Suíte 6B).

Para Islândia Carvalho, a experiência junto aos estados desvela a potência do trabalho em rede e da troca de aprendizados: “Ao longo dos últimos três anos por meio do apoio do ObservaPICS os estados têm sistematizado a implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) de modo reflexivo e participativo. Há atualmente 17 estados envolvidos no projeto.”

O ObservaPICS, que tem sede na Fiocruz Pernambuco, atua desde dezembro de 2018 promovendo discussões sobre PICS e saberes tradicionais, estimulando a articulação entre a ciência e os campos de prática no SUS, além de compartilhar informações seguras acerca da saúde integrativa e das medicinas tradicionais indígenas. Quem comparecer presencialmente ao Abrascão 2022 poderá conferir um resumo da trajetória e missão do Observatório, disponível num painel no estande da Fiocruz.

PAUTAS NO ABRASCÃO

Entre os estudos a serem apresentados de forma presencial ou na forma de exibição gravada previamente para forma remota estão os seguintes temas: Práticas integrativas e complementares, saúde mental – vivências, desafios e perspectivas; Práticas integrativas e complementares na formação em saúde; Práticas complementares e possibilidades de curricularização da extensão universitária; A incorporação das PICS no SUS: potencias e singularidades; PICS, saberes populares e novos modelos de atenção à saúde no SUS e na saúde coletiva e Práticas integrativas e complementares durante a pandemia da Covid-19.

Os benefícios gerados pelas práticas integrativas e complementares poderão ser vivenciados por pesquisadores, professores, estudantes, gestores e profissionais da saúde presentes no Abrascão, nas atividades de yoga, aromaterapia, biodança, terapia comunitária integrativa e lian gong.

De acordo com a organização do congresso, há transmissões abertas de uma parte da programação principal do evento.