Escolha uma Página

Com prefácio do escritor indígena Aílton Krenak, o livro  Re-existir na diferença, lançado este ano pela Editora Rede Unida, aborda temas como medicinas tradicionais indígenas, resistência dos povos originários, comportamento social e ambiental, frente ao avanço da mercantilização da saúde e dos meios digitais de disseminação de informações.

A coletânea reúne 40 textos dos pesquisadores da saúde coletiva Ricardo Moebus e Emerson Merhy, distribuídos em 192 páginas que podem ser acessadas no site da editora. O e-book integra a coleção Micropolítica do  trabalho e o cuidado em saúde. Num dos trechos, os autores destacam:

“O recurso terapêutico das Medicinas Tradicionais Indígenas tem sido buscado, utilizado, validado, confirmado por milhares de não índios, que
buscam tratamentos indo aos territórios indígenas, como, por exemplo, durante os festivais de cultura indígena que acontecem em vários territórios indígenas (TI), como, podemos citar, no território dos Yawanawás, dos Kashinawás etc. A Medicina Tradicional Indígena, em alguns de seus recursos, tem sido também utilizada por não índios em espaços urbanos e periurbanos, em diversos contextos ritualísticos ou apenas terapêuticos, como por exemplo, o ayahuasca ou o kambô, procurado, experimentado, validado pela experiência pessoal de milhares de não índios. Um outro contexto de abertura da Medicina Tradicional Indígena para o tratamento de não índios é a inovadora experiência exitosa do ‘Centro de Medicina Indígena Bahserikowi’i’, que re-existe há mais de 2 anos no centro da cidade de Manaus/AM, já tendo atendido mais de duas mil pessoas não indígenas.”

Apoiadora do ensino, da pesquisa e da extensão em saúde coletiva no Brasil, a  Editora Rede Unida estimula publicações físicas e eletrônicas nessa área, e mantém a Revista Saúde em Redes.

DEBATE VIRTUAL NO DIA 31 DE OUTUBRO

O 14º Congresso Internacional da Rede Unida debate no próximo dia 31 de outubro “Medicina Tradicional Indígena: Território de Re-existência”, com Álvaro Tukano, Aílton Krenak, Carlos Papá Mbiá Guarani, Cristiane Takuá e João Paulo Tukano. O encontro será virtual, pelo Canal da Rede Unida no Youtube.