A pandemia  do novo coronavírus mudou a rotina em serviços de saúde ambulatoriais, como unidades de Saúde da Família e centros de especialidades. No município de Florianópolis (SC), no Sul do país, a coordenação de Práticas Integrativas e Complementares (CPIC) da Secretaria Municipal de Saúde encontrou uma forma de auxiliar a comunidade e os trabalhadores do SUS a atravessarem essa fase difícil. Produziu um material educativo sobre PICS, reunindo informações sobre diferentes práticas que podem ajudar na promoção da saúde física, reforçando as defesas do organismo, por exemplo, e da saúde mental, diante da ansiedade e do isolamento social, necessário para diminuir a propagação do vírus.

“Com a pandemia, os grupos de atividades coletivas em PICS tiveram que suspender temporariamente as ações. Então surgiu a ideia de elaborar o compilado para que as pessoas não perdessem esse elemento promotor de qualidade de vida que ajuda muitos a manejarem os problemas de saúde, principalmente doenças crônicas e em comorbidades. Pensamos ainda que seria útil para o público em geral, para ajudar a manter a saúde mental e, por consequência, a saúde física em tempos de restrição de mobilidade e confinamento, o que contribui para aumentar a resistência e resiliência em caso de infecção”, explica  Rogério de Souza Duarte, coordenador municipal da CPIC da SMS/Florianópolis.O material está sendo divulgado nos grupos de WhatsApp de trabalhadores e usuários e pode ser acessado aqui, no botão abaixo.

Nesses dias de confinamento, as equipes da Estratégia de Saúde da Família de Florianopolis mantêm atendimentos individuais de auriculoterapia e acupuntura (foto), mas em menor quantidade. “Parte dos profissionais estão se dedicando à avaliação de sintomáticos respiratórios de forma prioritária. Os ambulatórios de especialidades estão com as agendas atendendo somente urgências e os de acupuntura, por enquanto, suspensos na policlínica”, informa Rogério Duarte.

O médico de família e acupunturista conta que a coordenação de Práticas Integrativas e Complementares existe em Florianópolis desde 2010. “Profissionais de saúde da rede já tinham conhecimento e alguns utilizavam as PICS. Com a coordenação, as práticas passaram a ser rotina entre as equipes de Atenção Primária com de atividades de educação permanente”, explica.

Coletânea atualiza saberes sobre PICS. Primeiro número aborda florais

Criada rede de apoio para cuidar dos profissionais de enfermagem na pandemia de coronavírus

A maioria dos centros de saúde do município oferece PICS.  “A auriculoterapia é ofertada em 95% das unidades, acupuntura em 85% das unidades e práticas corporais em 50% delas”, lista Duarte. Há grupos  exclusivos de yoga e outros que utilizam Qi gong e  Lian gong combinadas a outras técnicas não integrativas, a exemplo de alongamentos e também de meditação, completa o coordenador. Em Florianópolis, as plantas medicinais estão presentes em 75% dos centros de saúde, com prescrição de fitoterápicos e/ou presença de hortos medicinais para orientação e dispensação em programas como A hora do chá.

Além de levar em conta a situação coletiva de quarentena, a coordenação de PICS  da capital catarinense resolveu divulgar o material educativo também em resposta às informações sem fundamento que estão circulando por redes sociais, propagando prescrições equivocadas. “Pensamos em juntar as recomendações de autoridades em PICS de forma a complementar os cuidados preconizados a todos no combate à disseminação da Covid-19, oferecendo um material de operacionalização simples e que servisse de orientação dentro da nossa visão de complementariedade e integralidade, contribuindo para manter o foco na prevenção e promoção da saúde”, argumenta Duarte.

Melhor respiração e sistema imune fortalecido

As práticas selecionadas no material são aquelas de maior familiaridade das equipes municipais. Cada colaborador foi convidado a preparar conteúdo do seu domínio. “Doutor César Simionato é nosso colaborador desde sempre e instrutor dos cursos de fitoterapia e plantas medicinais ministrados aos profissionais da rede. A fisioterapeuta Letícia Calado Carneiro  e a profissional de educação  Simone Morini elaboraram a parte de práticas corporais, com a colaboração do Dr Murilo. Eu fiz a parte de medicina chinesa/reflexologia e auriculoterapia, enquanto a nutricionista Thaisa Navolar dedicou-se à parte sobre alimentos”, afirma Duarte

Para o médico, as PICS podem contribuir de variadas formas: “reduzindo o estresse, que é um dos fatores de adoecimento mais impactantes em nossa realidade, e, nesse sentido, mais de uma prática ajuda a melhorar esse estado. Ele conta que tem trabalhado em pronto atendimento nesse período, no qual “se observa um aumento da incidência de crises de ansiedade e depressão, e mesmo de autointoxicação, e as PICS têm o potencial de contribuir para aumentar o bem estar, prevenindo agravos de saúde mental.”

Duarte lembra que “as práticas ensinam a utilizar a respiração, o que contribui para o controle emocional em tempos em que as notícias tendem a disseminar o pânico”. Considera a alimentação saudável como fator decisivo para a resposta imune adequada do corpo, prevenindo os agravamentos da infecção por Covid-19. “Mais do que nunca é hora de discutir e propiciar meios para incrementar as atitudes de cuidar de si, como forma geral de prevenir essa e outras doenças graves.  Vamos viralizar o autocuidado, que encontramos na essência de muitas PICS”, observa Duarte.