Em nota de esclarecimento conjunta, o ObservaPICS, o Consórcio Acadêmico Brasileiro de Saúde Integrativa (CABSIn) e quatro grupos de pesquisa de universidades públicas esclarecem posicionamento sobre as PICS no contexto da pandemia de Covid-19. A iniciativa é uma resposta a interpretações equivocadas, publicadas por setores da grande mídia e redes sociais, sobre a Recomendação Nº 041 do Conselho Nacional de Saúde, do último dia 22 de maio, que propôs ao Ministério da Saúde e demais instâncias do SUS a divulgação de evidências científicas em torno das práticas integrativas e complementares em saúde. “Ao contrário do que têm sugerido notícias e impressões compartilhadas em redes sociais, o uso de PICS não impõe ou propõe a substituição de condutas ou protocolos terapêuticos definidos internacionalmente pela comunidade científica para tratamento da Covid-19”, afirma o documento, reforçando que as práticas “são oferecidas no SUS desde 2006, de forma complementar ao tratamento convencional”. Leia na íntegra o comunicado subscrito também por pesquisadores do Lapacis (Unicamp), Lapics (CAV-UFPE), Gaipa (UFC) e Nepic (UFF):

Download

Os Conselhos Nacional de Saúde (CNS) e de Enfermagem (Cofen) também se manifestaram nos últimos dias acerca do tema: CNS nunca recomendou práticas integrativas em saúde como tratamento medicamentoso de Covid-19 Cofen publica nota sobre práticas integrativas e complementares

Coletânea atualiza saberes sobre PICS. Primeiro número aborda florais