Escolha uma Página

Usuários, trabalhadores e gestores do SUS têm a oportunidade de conhecer e discutir sobre os avanços e desafios das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS), nos dias 29 e 30 de setembro, num primeiro seminário nacional acerca do tema promovido pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS). O fórum máximo de controle social da saúde pública no Brasil, com representação de todos os segmentos que compõem o SUS, conta, desde 2007, com uma comissão intersetorial que acompanha a Política Nacional de PICS e, no ano em que se comemoram os 15 anos de sua implantação, reúne nesse evento pesquisadores, especialistas em diferentes práticas integrativas, representações de conselhos profissionais, comunidades de PICS, ativistas dessas práticas e da educação popular em saúde, além de gestores e referências técnicas na implantação da política.

“Precisamos defender a PNPIC e também dialogar sobre a importância das PICS, inclusive agora durante a pandemia de Covid-19”, afirma Fernando Pigatto, presidente do CNS. Abrahão Nunes da Silva, coordenador da Comissão Nacional de PICS do Conselho, lembra que “o controle social precisa se fazer presente e ajudar a construir a política de práticas integrativas no SUS para toda a sociedade brasileira”. No Brasil há 29 práticas reconhecidas como integrativas e complementares, entre elas a homeopatia, fitoterapia, acupuntura,  meditação, aromaterapia e Terapia Comunitária Integrativa, com resultados estudados por cientistas de diferentes universidades e centros de pesquisa do país. O  1ºSeminário Nacional sobre as Práticas Integrativas e Complementares de Saúde (Pics) no Sistema Único de Saúde (SUS) será totalmente on-line, com transmissão no Canal do CNS no Youtube aberta a todos os interessados. No primeiro dia, a partir das 15h e, no segundo, começando às 16h.

HOMENAGENS

No primeiro dia do evento haverá homenagem à pesquisadora Madel Luz, professora aposentada das Universidades Estadual e Federal do Rio de Janeiro (UERJ e UFRJ), consultora do Observatório Nacional de Saberes e Práticas Tradicionais, Integrativas e Complementares em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (ObservaPICS/Fiocruz). A socióloga, que iniciou no país estudos sobre racionalidades médicas e em saúde, é referência para quem estuda as PICS. Ela fará a palestra magna do seminário, às 15h40 do dia 29 de setembro (quarta-feira).

Também no primeiro dia haverá homenagem póstuma à enfermeira Simone Leite, conselheira nacional de Saúde, falecida este ano, que ajudou a construir o Movimento Popular em Saúde (MOP) em Sergipe e integrou, na universidade federal do mesmo estado (UFS), projetos de extensão que incluíam as práticas integrativas e a aproximação com a comunidade.

A mesa de abertura contará com representantes da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e do Conselho Nacional das Secretarias Estaduais de Saúde (CONASS), além da participação da coordenadora do ObservaPICS, a pesquisadora da Fiocruz Islândia Carvalho, e de Daniel César Cardoso, do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde.

O programa do seminário prevê a participação ainda de Daniel Miele Amado (Rede MTCI Américas), Marilene Nascimento (Universidade Federal Fluminense), Marcos Freire Jr (Cerpis  Planaltina -DF), Marcos Trajano, médico de família e comunidade no Distrito Federal, Maria de Fátima Souza (MOPS-SE) e de Maria Luíza Oliveira (Pastoral da Terra). A situação da política de PICS nas diferentes regiões do Brasil, a promoção do autocuidado, pesquisas e formação em práticas integrativas, o uso da PICS no contexto da pandemia de Covid-19, sustentabilidade, educação popular em saúde e controle social da PNPIC são temas a serem abordados. Confira a programação completa do evento.

 

Acompanhe notícias e mais detalhes do 1º Seminário Nacional sobre as Práticas Integrativas e Complementares de Saúde (Pics) no Sistema Único de Saúde (SUS) nas redes sociais do CNS.

https://www.instagram.com/conselhonacionaldesaude.cns

Sustentabilidade será um dos temas tratados durante o 1º Seminário Nacional sobre a Práticas Integrativas no SUS