Escolha uma Página

Duas experiências municipais e uma estadual com práticas integrativas e complementares em saúde (PICS) chegaram a etapa final do Prêmio APS Forte para o SUS:  Acesso Universal, promovido pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e Ministério da Saúde. Juntas, essas experiências representam 27% dos trabalhos finalistas da premiação, que visa identificar, dar visibilidade, reconhecer e promover iniciativas municipais, estaduais ou regionais que buscam a melhoria da atenção primária à saúde (APS).

Dessas três finalistas, o Programa Corujão da Saúde, de Doresópolis (MG) – cidade com 1.527 habitantes –  é o que trabalha com o maior número de PICS. Reiki, auriculoterapia, yoga, shantala, ventosaterapia, imposição de mãos e quiropraxia são oferecidas aos usuários do SUS na APS. Todas as terças e quintas-feiras, a única unidade básica de saúde (UBS) do município funciona em horário estendido, das 7h às 21h. O Corujão foi criado para atender moradores que não conseguiam acessar a UBS no horário comercial, por morar na área rural (110 famílias) ou por trabalhar em outra cidade. Na terça à noite o atendimento é direcionado aos portadores de doenças crônicas com outras doenças e acontecem individualmente ou em grupos. No município, crianças e adolescentes também têm interesse pelas práticas. Nas tardes das terças, em média 60 a 80 delas, com idade entre seis e 14 anos, participam das atividades.

 Reabilitação do usário

Senador Canedo (GO) instituiu a auriculoterapia e a musicoterapia como processos de reabilitação para pessoas com doenças crônicas neurológicas, ortopédicas e cardiovasculares, entre outras, que chegam na atenção primária à saúde. Desde janeiro deste ano, essas duas práticas integrativas e complementares em saúde foram incorporadas ao projeto que classifica por risco os usuários que necessitam de reabilitação. Eles são classificados segundo a cronificação da doença, como agudo, crônico e crônico agudizado. Os casos urgentes seguem para reabilitação na atenção especializada e os demais são encaminhados para os serviços da APS.

O atendimento de auriculoterapia acontece na Academia da Saúde e na UBS Jardim Liberdade, com a média de 60 pessoas atendidas, por mês, em cada espaço. Seis auriculoterapeutas também prestam atendimento no mutirão Cidadania nos Bairros, promovido pela prefeitura, todas as sextas-feiras, em um bairro diferente. As ações da musicoterapia ocorrem antes das atividades físicas na Academia da Saúde e nas unidades básicas de saúde da região central do município.

PICS na residência médica

Criado com a finalidade de investir na formação de médicos para atuar na atenção primária e fixá-los em cidades interioranas, de maneira a ampliar o acesso e a qualidade dos serviços da rede de saúde, a Gestão Descentralizada do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria de Saúde de Santa Catarina forma profissionais por meio de atividades teóricas e práticas, entre elas as práticas integrativas e complementares em saúde (PICS). A auriculoterapia e a acupuntura são eixos principais de formação, tendo ainda, em forma de vivências, aulas de mindfulness, biodança, antroposofia aplicada à saúde, constelação familiar, arteterapia, reiki e fitoterapia.

Leia os textos completos sobre essas experiências na terceira edição do Boletim Evidências.

Foto: Secretaria de Saúde de Doresópolis