Escolha uma Página

Orientações sobre automassagem ou do-in são exemplo de estratégias educativas utilizadas em Blumenau (SC), no Sul do Brasil, para auxiliar trabalhadores da saúde e a população a se cuidar melhor diante do estresse da pandemia de Covid-19.  “Inicialmente foi elaborada uma apostila para auxiliar profissionais de saúde. Todavia, em função de solicitações, estendemos o acesso à população em geral”, conta Ethna Thaise Unbehaun, coordenadora Municipal de Políticas de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (CMPICs) do município catarinense, a 143 quilômetros de Florianópolis.

Na apresentação, os responsáveis pela publicação esclarecem que a “Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece a importante contribuição da medicina tradicional e popular em cooperação aos métodos da medicina moderna”  no que diz respeito ao autocuidado e que “a saúde é um bem individual valioso”, compartilhado com todos.  “O que eu cuido em mim, eu cuido em você!”, ensinam.

Também explicam que a automassagem tem referência na Medicina Tradicional Chinesa (MTC), “um conjunto de conhecimentos e sabedorias milenares referenciados pelo uso, estudos e pesquisas científicas”. A prática trabalha “pontos distribuídos
pelo corpo humano (meridianos/canais) e a energia que flui entre eles” . É aplicada pela própria pessoa, o que se trata de uma vantagem em distanciamento social, fazendo pressão com as pontas dos dedos ou palmas das mãos (foto/Freepik) .Na proposta do autocuidado, o objetivo da técnica é “o fortalecimento, manutenção e recuperação das condições de saúde”, informam.

Segundo Ethna, a possibilidade de aplicação pelo próprio praticante e as características da pandemia atual, que restringe os contatos pessoais, justificam a escolha pelo do-in. “Além do material visual impresso ou em tela, a pessoa pode receber vídeo demonstrativo dos pontos e da forma de aplicação”, afirma. A coordenação estuda a possibilidade de incluir uma versão com tradução em libras, para garantir o acesso aos deficientes auditivos. Além de dispor de profissionais com formação em automassagem, o município tinha constatado anteriormente boa aceitação da prática entre os usuários, em oficinas realizadas com grupos de educação em saúde e de controle do tabagismo.

Acesse a publicação aqui

A apostila aborda o conceito da automassagem, os cuidados e preparação para efetivá-la, apresentando 16 pontos de aplicação com base em sintomas mais observados nos últimos meses. O material foi elaborado por três servidoras públicas, a própria Ethna , que é psicóloga e passou por cursos de tai chi, Qi gong, automassagem e massagem chinesa, auriculoterapia e meditação; por uma enfermeira com formação em acupuntura, reiki e auriculoterapia, que trabalha na atenção básica/ESF, e por uma agente comunitária de saúde também com capacitação em acupuntura, massagem, automassagem, meditação e reiki.

As PICS estão sendo implantadas em Blumenau desde 2017. Segundo Ethna, alguns profissionais já tinham formação e experiência prática. Durante a pandemia, as equipes repassam orientação on-line, sobre técnicas de respiração e reiki. “Como o foco principal dos serviços tem sido a triagem da sintomatologia da Covid-19, suspendemos os atendimentos em PICS, mas estamos nos reorganizando para a retomada presencial”, explicou.

Orientação virtual reforça a importância do autocuidado